Saúde
Saúde

Volta Redonda intensifica o combate ao Aedes aegypti

A força-tarefa entre as secretarias municipais de Saúde (SMS) e de Infraestrutura (SMI) de Volta Redonda, no Sul Fluminense, no combate ao Aedes aegypti, transmissor da dengue e outras doenças, está sendo intensificada.

Compartilhe:
30 de janeiro de 2024
Matheus Gagliano
Volta Redonda intensifica o combate ao Aedes aegypti
Fumacê percorre ruas de bairros de Volta Redonda. Foto: Cris Oliveira – Secom/PMVR

A força-tarefa entre as secretarias municipais de Saúde (SMS) e de Infraestrutura (SMI) de Volta Redonda, no Sul Fluminense, no combate ao Aedes aegypti, transmissor da dengue e outras doenças, está sendo intensificada. O próximo bairro que receberá as ações de combate à dengue é o Aero Clube, no período de quarta-feira (31) a sexta-feira (2). No bairro, na Avenida Beira-Rio, a SMI vai disponibilizar dez caçambas para descarte de materiais inutilizados que acabam se transformando em depósito para o mosquito.

Semanalmente, a força-tarefa da prefeitura percorre bairros para bloqueio do Aedes aegypti. A iniciativa consiste ainda em oferecer vistorias nas residências, através dos agentes de endemia da SMS, que orientam ainda os moradores na prevenção à doença. Além de serviços de limpeza urbana, com equipes direcionadas à manutenção, como capina, roçada, limpeza geral e recolhimento de entulho. Os bairros Sessenta, Dom Bosco, Aterrado, Jardim Paraíba, Nossa Senhora das Graças e Santa Cruz já receberam a força-tarefa da prefeitura.

“Pedimos a colaboração da população para receber os agentes de endemia em casa e manter a vigilância ao mosquito. O Aedes, como todos sabem, se reproduz na água parada, as altas temperaturas e as pancadas de chuva contribuem para a proliferação dos focos do mosquito. Por isso, é fundamental que os moradores não deixem o Aedes nascer, reforçamos as orientações que consistem em deixar a caixa d’água devidamente tampada, eliminar os vasos de plantas e qualquer outro tipo de reservatório que possa acumular água”, orientou a coordenadora da Vigilância Ambiental de Volta Redonda, Janaína Soledad.

Orientações em Volta Redonda

A coordenadora ainda explicou que a maioria dos focos do mosquito foram encontrados dentro dos domicílios, ou seja, o Aedes aegypti se desenvolve dentro das casas onde encontra abrigo e local para se reproduzir.

“Os casos de dengue estão bem distribuídos em todo município, assim como os índices do Aedes. Os dados dos bairros são bastante variáveis de acordo com a semana epidemiológica. A Vigilância Ambiental percebeu que somente uma pequena parte dos focos está concentrada fora das residências. Os moradores devem ficar atentos à limpeza dos quintais, semanalmente, tirando pelo menos 10 minutos para essa vistoria”, disse Janaína.

Junto aos serviços da força-tarefa, Volta Redonda conta com o apoio do fumacê UBV (Ultra Baixo Volume), do Governo do Estado. O veículo da Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental (SVEA) iniciou os percursos no dia 8 deste mês e segue em atuação no município.

De acordo com Janaína Soledad, a programação do fumacê UBV foi definida pela Vigilância Ambiental, vinculada à Secretaria Municipal de Saúde, levando em consideração os índices de proliferação do mosquito nas regiões de Volta Redonda.

“O fumacê UBV é específico para o bloqueio do Aedes, exclusivamente, na fase adulta. A recomendação é que janelas e portas sejam abertas quando o fumacê estiver passando no local. Animais de estimação, assim como seus potes de água e comida, devem ser retirados, além de roupas no varal”, comentou a coordenadora da Vigilância Ambiental.